Mostrar mensagens com a etiqueta grécia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta grécia. Mostrar todas as mensagens

4 de dezembro de 2012

Pois claro

Independentemente dos recuos, tanto do presidente do eurogrupo, Jean-Claude Juncker, como do nosso ministro Vítor Gaspar, Portugal só não beneficia das condições agora adotadas para a Grécia porque não houve quem em Portugal tivesse desafiado o poder do Estado, tal como os gregos fizeram desde a primeira hora. Assim, como as coisas por cá não foram tão danificadas como lá, nem os nossos políticos foram vilipendiados de forma sequer semelhante, não é necessário, nem mais dinheiro, nem mais prazo.

[foto]

27 de julho de 2012

Para quando os nossos?


Depois do rescaldo das eleições, de algumas demissões e tantas outras situações, Atenas propõe baixar salários de governantes, como medida necessária para ajudar a ultrapassar a crise. Por cá, em vez de trilharmos o mesmo caminho, continuamos a falar de subida da carga fiscal, como forma de diminuir o défice.

5 de novembro de 2011

Descartáveis.....

[cartoon]

Agora percebo o motivo pelo qual, as moedas de euro têm aquele anel exterior.


3 de novembro de 2011

De uma atualidade atroz, quase impossivel de aturar

"Nós estamos num estado comparável apenas à Grécia: a mesma pobreza, a mesma indignidade política, a mesma trapalhada económica, a mesmo baixeza de carácter, a mesma decadência de espírito. Nos livros estrangeiros, nas revistas quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva, poderá vir a ser riscado do mapa da Europa, citam-se em paralelo, a Grécia e Portugal"

[in As Farpas - simpaticamente enviada por mail]

5 de outubro de 2011

Já que fizeste a merda...

Merkel apontou Portugal como exemplo a seguir pela Itália, por ter sido um país que respeitou e aplicou, de forma exemplar, as medidas de foram acordadas com a troika.
Claro que vindo da chanceler alemã, aquele elogio soa-me mais a orgulho, por nos ter conseguido disciplinar, do que propriamente a satisfação
Pois ainda bem que é assim porque, ao contrário dos gregos que não param de contestar a austeridade subserviente de que estão a ser alvo e a capacidade dos líderes que os (des)governam, nós os portugueses, perante a mais óbvia relação de causa efeito, dos que nos têm governado, com a crise que estamos a atravessar, continuamos a preferi-los na estúpida esperança de que sejam eles a tirar este pais da porcaria em que o mergulharam.

[foto]

29 de junho de 2011

Políticos de merda


É muito triste quando um povo se apercebe que o seu governo o enganou e se prepara para vender grande parte daquilo que lhe resta, só para poder continuar a respeitar os compromissos assumidos perante a comunidade internacional. Mas também não deixa de ser muito triste que esse mesmo povo consiga viver durante vários anos acima das suas possibilidades, pensando que as dificuldades jamais lhe baterão à porta e que os sacrifícios são coisas para aqueles que ainda assim, se vão esforçando para se manterem à tona da crise, nunca sabendo muito bem se esse esforço alguma vez resultará.