Mostrar mensagens com a etiqueta frança. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta frança. Mostrar todas as mensagens

17 de maio de 2012

Sinais


A proposta que o recém nomeado primeiro-ministro francês, vai fazer aos seus ministros, para além de significar uma perda de 30% nos vencimentos de cada um, é um sinal de que aquele governo está na disposição de contribuir para que os sacrifícios sejam efetivamente repartidos por todos, e não apenas pelos governados, com acontece por aqui.

[foto]

23 de agosto de 2011

Eu até nem me importava de pagar o mesmo


Se o Governo anda tão preocupado em aproximar Portugal, o mais possível, das práticas financeiras da Europa, para assim atingir o nível desejado pela TROIKA, porque razão é que apenas nos impostos nos devemos tornar assim tão semelhantes? O lógico seria que também na uniformização dos rendimentos essa preocupação se verificasse porque, se assim fosse, eu até nem me preocupava em pagar o mesmo do a maior parte dos meus congéneres europeus, desde que os meus rendimentos fossem, por exemplo, iguais ao dos franceses, onde só salário mínimo, em Janeiro de 2010, se situava nos módicos 1321 euros.

29 de novembro de 2010

Picasso reedescoberto

As obras foram encontradas em França, na garagem do electricista de Picasso por, supostamente, lhes terem sido oferecidas a troco dos bons serviços prestados. São duzentas e quarenta e estima-se que tenham um valor de 60 milhões de euros.
O filho do falecido cubista acha estranha tanta gentileza e a polícia já tenta saber como tudo aconteceu.
Por mim, não me importava nada de ser dono daquela garagem, quanto mais não fosse para,  por momentos, as desfrutar simplesmente.

25 de outubro de 2010

Antípodas

I
Em França, pelo aumento da idade da reforma em 2 anos, tudo ficou em estado de sítio. Em Portugal, tudo aquilo que nos é imposto pelo Estado, apenas tem como reacção, um ou dois dias de greve, de preferência colados ao fim-de-semana, e sem grande alarde ou confusão. É caso para dizer que os nossos governantes não nos merecem, tal a candura com que nos deixamos embalar pelas promessas vãs de quem nos governa.
I