Mostrar mensagens com a etiqueta constituição da república. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta constituição da república. Mostrar todas as mensagens

13 de novembro de 2015

Loucamente desesperado


A atitude de Passo Coelho, faz-me lembrar a daqueles governantes (vulgo ditadores) que se pretendem eternizar no poder e que, para isso, alteram constantemente a Constituição a seu bel-prazer, sempre que sentem que a sua continuidade à frente do destino dos governos está ameaçada...pela própria Constiuição.

14 de outubro de 2015

Não percebo a indignação


Tenho um bastante respeito pela Assembleia da República e por todos os deputados eleitos para nela representarem a Nação, sejam eles sociais-democratas, socialistas, centristas, comunistas ou bloquistas. Estão lá porque tiveram quem os elegesse, porque se apresentaram eleições para serem eleitos e porque reuniam as condições necessárias para o serem. Por isso, da mesma forma que não vejo diferenças entre eles, também acho que não lhes pode estar vedada ou limitada a possibilidade de, em conjunto, ou separadamente, integrarem um governo, que se comprometa a ser estável, duradouro e respeitador dos compromisso assumidos. 
O que não aceito, é a forma como os deputados eleitos pelos partidos que mais votos obtiveram nas eleições, seja as do passado dia 04, seja de anos anteriores, olham para a possibilidade de existir uma maioria de deputados, com assento parlamentar, que decida votar de acordo com a suas convicções e com a liberdade que lhe é própria.
Convém lembrar, que o poder não é um feudo, onde só alguns (iluminados) podem entrar para o exercer. E também nunca é demais recordar que, aos olhos da Constituição, ninguém poder ser "privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual."

17 de abril de 2013

Eu nem pensava duas vezes


Não consigo avaliar o impacto que a independência da Madeira teria em Portugal, mas a julgar pelo encargo que aquele arquipélago significa para os cofres do Estado, e aproveitando o facto de estarem sempre a falar no assunto, talvez não fosse má ideia fazer-lhes a vontade e deixá-los à deriva com as suas dívidas e as suas dúvidas.


27 de março de 2013

Se assim não for, de que valem os sacrifícios?


Passos espera que a decisão do Tribunal Constitucional tenha em linha de conta os "tempos históricos" que estamos atravessar. E, julgo eu, é exatamente isso que todos esperamos, pois é precisamente nos tempos ou momentos históricos, que se avaliam e se põem à prova os limites estabelecidos por uma Lei aprovada quando era necessário pacificar e dar esperança a um Povo saído de um tempo, em que o que mais valia era a vontade de um punhado de poderosos que só lhe tolhiam a razão e lhe quebravam a dignidade.


[foto]