Mostrar mensagens com a etiqueta blindados. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta blindados. Mostrar todas as mensagens

28 de dezembro de 2010

Vai ser um grande problema


As tropelias que entretanto surgiram com a compra dos blindados para a Cimeira da Nato, conheceram nova evolução. Se até aqui era dado assente que o Governo Civil de Lisboa ia denunciar o contrato com a empresa que se comprometeu a entregar os ditos veículos até ao final do presente ano, certo é que perante essa vontade, uma empresa de segurança privada se mostrou bastante interessada em os adquirir para os vender a um país qualquer africano. Na eminência de ficar sem os tão disputados veículos, resta saber qual a posição da PSP relativamente ao assunto, uma vez que, segundo os seus responsáveis, tal aquisição assume capital importância no combate ao crime organizado que existe em Portugal, designadamente aquele que se esconde nos bairros considerados de risco e aonde aquela polícia mais tem dificuldades em entrar.

22 de novembro de 2010

A ordem é rica





Realmente, existem coisas que só neste país é que acontecem. Já não basta a grave situação em que nos encontramos, ainda assim, alguns dos nossos governantes conseguem, através de malabarismos políticos, puxar a brasa à sua sardinha. O mais recente caso dos blindados, que só foram adquiridos porque as exigências com a segurança da cimeira da Nato assim o ditaram, não passou de mais um estratégia que os responsáveis pela sua aquisição montaram, somente com o intuito de adquirirem um equipamento que, em condições normais, não seriam adquiridos (digo eu), devido à contenção orçamental. Mas o mais caricato de tudo isto, está no facto de, somente depois de ter terminado a cimeira, é que o primeiro blindado chegou a Portugal, o que só prova a não necessidade  daquele equipamento. Agora, das duas uma, ou se devolvem, por ter havido incumprimento contratual, ou então, deixam-se ficar para uma situação futura, o que a acontecer, nos vai obrigar a desembolsar os 5 milhões de euros que os seis veículos custaram e, mais grave ainda, sem que ninguém seja por isso responsabilizado.