Mostrar mensagens com a etiqueta be. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta be. Mostrar todas as mensagens

4 de novembro de 2015

Começou a dança


E de repente, António Costa, passou de mau dançarino a rainha do baile com quem todos querem dançar.


12 de outubro de 2015

Cristalizar

António Costa está a dar à esquerda a oportunidade de se unir e concentrar verdadeiramente naquilo que melhor sabe (e pode) fazer. A defesa do Estado Social é a pedra de toque deste novo entendimento, através do qual, sem romper com os compromissos assumidos, é possível encontrar uma base comum, onde o esforço de todos se conjugue no sentido de distribuir, mais equitativa e inteligentemente, a riqueza gerada e desperdiçada.
Acho que (finalmente), o PS encontrou o seu caminho e se afirmou como elemento imprescindível na construção de uma sociedade mais justa, mais equilibrada e mais solidária.

6 de outubro de 2015

5 de maio de 2011

De costas voltadas


De um lado estão aqueles que não se importam de negociar com a Troika que de nós veio tomar conta. Do outro estão aqueles que se acham com capacidade para alterar as propostas apresentadas e assim tentarem, de acordo com a posição assumida, mostrar ao Povo que as soluções que apresentam, são bem melhores do que aquelas que nos vão, e estão, a ser impostas. Pergunto eu: Não seria preferível que as soluções apontadas por aqueles que recusam juntar-se aos três partidos que vão subscrever o protocolo, fossem apresentadas no lugar próprio, perante os responsáveis pelas medidas que nos vão ajudar a colocar e a manter as contas em dia, ou será que estou a sugerir o impossível e, por isso mesmo, redondamente enganado?

2 de março de 2010

Agora é que são elas

Como se dúvidas ainda houvessem, alguns partidos da oposição decidiram criar uma comissão de inquérito, com vista a avaliar se José Sócrates terá efectivamente mentido relativamente à compra da TVI pela PT. Acho bem, como dizem alguns, até porque o Povo necessita de ter a absoluta certeza de que não está a ser governado por um troca tintas que conseguiu, tal como outros que o antecederam, dar a volta às elevadas exigências com que são adimitidos os candidatos à liderança política do nosso país. Depois das conclusões, se as houver, nada voltará a ser como dantes, até porque a lição foi bem aprendia e durante os próximos anos, os políticos que nos irão governar, só o poderão fazer se forem detentores de pedigree.