Mostrar mensagens com a etiqueta 25 de abril. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta 25 de abril. Mostrar todas as mensagens

25 de abril de 2012

Homenagem de Abril


Neste dia de Liberdade, é triste dizer que o país ficou mais pobre, seja pela perda de um homem que sempre se bateu por ela, seja pelo fim, anunciado mas não inevitável, desse sonho que se chamou de Abril.

Apelo do MFA no 25 de Abril de 1974

23 de abril de 2012

A coisa está preta

Desde há 37 anos que nunca se viu coisa assim. A Associação 25 de abril bate com a porta e recusa-se a participar nas comemorações do próximo dia 25 por considerar que "o poder político que atualmente governa Portugal configura um outro ciclo político que está contra o 25 de Abril, os seus ideais e os seus valores". Enquanto isso, a PSP prepara-se para impedir manifestações, desfiles e acções de rua que não tenham seguido todos os procedimentos legais para a sua realização, o que faz antever a existência de muita tensão entre os que pretendam ir para rua celebrar os 38 anos da Revolução dos Cravos.
Olhando para a atual situação social do país, estou em crer que pouco bastará para que se assista a uma grande confusão, caso a presença massiva das autoridades de faça sentir, como que a ameaçar intervir a propósito de qualquer manifestação mais efusiva.

25 de abril de 2011

Abril, palavras mil


Este ano, as celebrações do aniversário do 25 de Abril, tal qual as conhecemos, não se realizaram devida à crise financeira que se abateu sobre o nosso país. Por sua vez, o habitual discurso à nação protagonizado na Assembleia da Republica, pelos vários agentes políticos, foi substituído por um outro que se realizou no Palácio de Belém, apenas proferido pelos 4 Presidentes da República eleitos após a Revolução dos Cravos, os quais apelaram à união do Povo, neste momento tão penoso para os cofres da nação.
Foram discursos de circunstância, cujo principal mote se centrou na necessidade uma maioria parlamentar para alcançar a necessária estabilidade governativa, talvez aquela que todos os portugueses mais desejam neste período tão crítico da história do nosso país. 
Não creio que este apelo, velado, ao entendimento político, seja assimilado pelos líderes partidários, já que, tirando o dia de hoje, se digladiam na praça pública, demonstrando que o seu apego ao poder, é muito maior do que a vontade que têm em resolver os problemas do Povo.