20 de setembro de 2011

Independência já!

Juro que não me apetecia nada voltar a falar no assunto, mas não consigo resistir perante mais um buraco nas contas da Madeira, detetado pelo Tribunal de Contas.
É impossível alguém pensar que o dr. Alberto fazia as coisas tão sub-repticiamente que ninguém, em 30 anos de usurpação democrática (?) do poder, alguma vez tivesse ousado sequer questionar a verticalidade financeira do ilhéu mais prepotente do continente.
Agora, pasme-se, todos os que passaram pelo sucessivos governos da República se apresentam indignados com a verdadeira situação financeira da Pérola do Atlântico, sem saberem muito bem se devem ou não, penalizar civil e criminalmente o responsável, ou responsáveis, por tão danosa administração.

6 comentários:

António Luís disse...

Não questiono as tuas razões. É a tua opinião que merece respeito.
De repente, vislumbra-se um mar de "virgens ofendidas" todas batendo com a mão no peito, gritando com o Alberto João e a Madeira, como se a situação no continente e no país em geral (de que a Madeira faz parte) fosse diferente do que se aqui (Madeira) se passa.
A questão é de escala e é demasiado política. A mesma que estabelece as suas conveniências, ao sabor de muita hipocrisia e falta de memória!

A frase de apresentação do teu blog, explica tudo na sua simplicidade histórica!

Anónimo disse...

Não se ofenda, António Luis!
Porque razão foram "concedidas" outras independências ao longo da história de Portugal?
Motivos similares (entre outros) não estariam em causa por essas alturas?
Ainda seria mais radical com independência e embargo!

impossível de aturar disse...

Não lhe fica nada bem, caro anónimo, dirigir-se a uma pessoa perfeitamente identificada, sob a capa do anonimato.

António Luís disse...

Bom, eu não me ofendo...
Moro cá, porque cá trabalho, mas não sou de cá, por isso estou à vontade.
Curiosamente, só se fala em "independência" no continente. E por norma, os quem o fazem, são as pessoas que "apenas" querem ver o AJJardim ser derrotado para, naturalmente, tomarem nas mãos o poder aqui na região. Se isto fosse mau como se diz e escreve, ninguém queria pegar na ilha!...
A oposição de cá, digo-lhe eu que a conheço, é de fugir... Temo que seria trocar o mau pelo péssimo.
Não quero inocentar AJJardim. Ele sabe bem na alhada em que se meteu e ele que a resolva mais os seus sequazes do PSD-Madeira. Apenas convém é ser-se intelectualmente honesto, sem usar a memória ao sabor do que (não) interessa.
Nada mais!
Os madeirenses que decidam o que quiserem no dia 9! Por muito que custe a muita gente, não há pistolas apontadas às cabeças junto às mesas de voto.

Anónimo disse...

Sempre foi uma dádiva dos céus, o AJJardim!

Anónimo disse...

Gosto da expressão "trocar o mau pelo péssimo". De repente dei por mim a pensar no "Contenente".

Em relação ás pistolas apontadas ás cabeças, não me parece, por aquilo que conheço do A. Luís, que queira ser tão inocente como isso.