9 de fevereiro de 2011

Diatribes



Com o veto à lei que obriga à prescrição, pelos médicos, do medicamento pelo princípio activo, Cavaco Silva inicia assim o seu último mandato como Presidente da República. Poderão, por isso, estar abertas as hostilidades entre Belém e São Bento, e dessa forma, estar condicionada a acção legislativa do governo.
A quem aproveita tudo isso não sei, mas tenho a certeza que, ao contrário de situações anteriores em que o Presidente da República se substituía à oposição, na defesa dos interesses dos cidadãos que supostamente estariam a ser prejudicados pelas medidas tomadas pelo governo, Cavaco Silva estará mais interessado em defender os interesses corporativos da classe médica, a qual, caso a lei não fosse vetada, seria bastante prejudicada, pelos favores que, hipoteticamente, lhes são prestados pelas empresas farmacêuticas.

Sem comentários: